João Canudo - “o caminheiro da esperança”

Publicado em 11/04/2019
Personagem completaria 113 anos neste 12 de abril

João Canudo ou João Canuto é o nome popular dado ao Sacramentano João Fernandes Justino, nascido na região da Gruta dos Palhares, em 12 de abril de 1906, sendo filho de Maria Justina e neto de Francisco Cristino e Justina Cristino. Seu registro foi feito apenas em 1976 para fins de aposentadoria; no documento ele se nomeia como João Fernandes da Silva Dorneles Vargas; o que, segundo relatos é oriundo de sua admiração e carinho pelo presidente Getúlio Vargas, do qual dizia ser amicíssimo.

Com o intuito de ajudar os enfermos da região, durante aproximadamente cinquenta anos essa personalidade marcante de nosso município fez o trajeto de Sacramento a Santa Maria e de Santa Maria a Sacramento, percurso esse realizado descalço, segundo relatos, ele nunca colocou um sapato no pé. Em seus embornais carregava diversos frascos de remédios fitoterápicos manipulados pelo homeopata Joaquim Honorato e distribuídos aos pobres pela entidade espírita de Santa Maria. “João Canudo” também levava encomendas de Sacramento para Santa Maria. Ele tinha a alma caridosa, era indulgente, benevolente e simples, uma pessoa querida por todos que o conheciam; ele dizia ser discípulo de Eurípedes Barsanulpho e relatava que com Eurípedes tinha aprendido as primeiras letras.

João Canudo sempre foi uma pessoa muito honesta e educada, sua vida foi muito simples, e apesar de todas as dificuldades seu intuito era de ajudar, quase não gastava com ele próprio, normalmente comprava pólvora para fazer foguetes para soltar no dia de São João, algumas sardinhas em lata e pão. Segundo outros relatos ele não recusava nenhuma pedido de fazer visitas e se alimentava em diferentes casas; ele vivia em casas daqui e dali até que a comunidade espírita lhe doou uma casa na Vila Sinhazinha.

Temos diversas histórias acerca dessa figura tão importante de Sacramento. Conta-se que por diversas vezes ele foi surpreendido na estrada imitando um caminhão; algumas vezes era visto sentado à sombra ou à beira do caminho dizendo a si mesmo: “Vai passar bem Joãozinho”. João Canudo dizia ser o eterno namorado de Marta Rocha, Miss Brasil da época; além de ter aptidão para a música, ele tocava gaita, pandeiro e um copinho ao mesmo tempo.

Nos últimos anos de sua vida “João Canudo” foi acolhido pela comunidade espírita de Sacramento. Falecendo no dia 03 de agosto de 1983; foi sepultado como indigente no cemitério local. Essa personagem marcou a história de Sacramento com sua vida simples e nos deixou um exemplo de caridade e benevolência.

Um tanto quanto esquecido pelas novas gerações, João Canudo pode, entretanto
servir-lhes de guia com sua bondade incomparável.
 

Fonte
Texto: Maria Claro Ribeiro / Revisão: Dimas Oliveira e Eliana Garcia