Secretaria de Cultura apoia comemoração do Dia do Violeiro

Publicado em 24/01/2019
Data foi instituída pela Lei Municipal nº 1.600

No dia 20 de janeiro, a Orquestra de Viola de Sacramento realizou no “Curral eventos” almoço em comemoração ao Dia do Violeiro, instituído pela Lei Municipal nº 1.600, de 16 de Outubro de 2018.  

Da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Cultura estiveram presentes os estagiários Guilherme dos Santos Zago e Verônica de Araújo, que parabenizaram o presidente da Orquestra de, Viola Ivan Rosa Gomides pela iniciativa de organizar o evento alusivo ao dia do Violeiro e também realizaram a entrega de lembrancinha aos artistas presentes. Além da brilhante apresentação da Orquestra, os violeiros de Sacramento “Vinícius e Franciel”, “Vadim Violeiro”, “Wesley e Wellington” também se apresentaram, o evento contou ainda com a participação especial de Gaby Violeira. 

O condicional apoio da Secretaria de Cultural ao evento se deu em decorrência da adesão do Setor de Patrimônio Cultural à Política Estadual de registro dos Violeiros do Estado de Minas Gerais. Desta forma no ano de 2017 o Setor registrou 12 violeiros, habilitado assim o recebimento do ICMS patrimonial nesta modalidade.   A partir dos dados cadastrados foi possível inferir que o Cebolão é afinação mais utilizada pelos violeiros de Sacramento, e os ritmos mais tocados são: pagode, cururu e cipó preto. 

O cadastro foi elaborado pela equipe da Gerência de Patrimônio Imaterial do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais – IEPHA/MG e teve como objetivo Registrar os Saberes, Linguagens e Expressões Musicais da Viola em Minas Gerais como patrimônio cultural imaterial. O formulário eletrônico foi disponibilizado no mês de março de 2017 na página do IEPHA/MG, para que os tocadores/fazedores de viola e as prefeituras do estado pudessem realizar seus cadastros. Importante resaltar que a plataforma continua disponível para o cadastro no seguinte link: https://form.jotformz.com/83304027842654.
 
 O reconhecimento  dos saberes, expressões e linguagens possibilita preservar, valorizar e compreender o universo das violas. Nesse sentido compreendermos que a adesão dos municípios é de extrema importância para consolidação das políticas públicas e também para valorização das tradições culturais. A música da viola desperta os mais diversos sentimentos, ativa a memória e estabelece conexões entre o meio rural e urbano, entre passado e presente, principalmente quando consideramos os ritmos da atualidade. No entanto podemos afirmar que a viola tem grande valor cultural e representa parte da identidade mineira, em algumas regiões resiste à tradição caipira, já em outras se reelaboram aos ritmos modernos.  

Segundo dados do IEPHA existem “mais de 30 ritmos diferentes no Estado, a maioria pertencente ao universo de ritmos da chamada “música caipira”, com destaque para o Pagode. Alguns violeiros e violeiras também apontaram como ritmos Congado, Folia, Batuque, Catira, Cururu, Lundu e Chula, que se referem às bases rítmicas das expressões culturais correspondentes. Os tocadores também apontaram ritmos mais comuns no Norte de Minas, mais conhecidos como toques, tais como Inhuma, Ludovina, Lundu e Onça”.

Fonte
Texto e fotos: Eliana Garcia